Uma atualização importante da Ve Global

Ve Global lançou uma subsidiária Brasileira. Encontre mais informação aqui.

What-online-marketplaces-mean-for-ecommerce-competition.png

O que os marketplaces online significam para a concorrência no ecommerce?

Os marketplaces online estão mudando o jeito como os consumidores procuram e compram seus produtos na internet. Com sites como Amazon, eBay e Etsy continuando a crescer em tamanho e popularidade, a concorrência no ecommerce está mais complexa do que nunca. As marcas não estão apenas competindo diretamente com outras marcas; agora, estão lutando contra marketplaces povoados por milhares de concorrentes. Isso abriu a seguinte questão: as marcas deveriam considerar se juntar à massa do marketplace?

Definido como um site ou app que facilita a compra de diversas fontes (Forbes), um marketplace online oferece aos comerciantes um canal adicional, além do seu próprio site, para alcançar novos clientes, promover produtos e conquistar vendas. Com tantos benefícios para as marcas e consumidores, não é surpresa que se estime que os marketplaces sejam responsáveis por 50% das atuais vendas globais do varejo online. Mas ainda há mais do que isso.

Não se pode negar que os marketplaces têm uma série de vantagens, como o alcance de um público maior e a expansão da presença internacional, o que aumenta ainda mais seu apelo. Porém, tudo que é bom vem com um potencial desafio, e as marcas devem ficar igualmente atentas ao potencial impacto negativo dos marketplaces ao decidirem se essa é a estratégia de varejo online mais adequada.

Esteja ciente dos prós e contras dos marketplaces

Um dos desafios que vêm com os marketplaces online são as barreiras ao valor da marca. Embora varie de empresa para empresa, os marketplaces geralmente oferecem pouca exposição à marca, o que significa que você pode perder a fidelidade dos clientes. Na maioria dos casos, consumidores compram produtos no marketplace em vez de serem direcionados para o site da marca, o que também contribui para a perda da autoridade do domínio. Se os consumidores sabem que podem visitar um marketplace para comprar os seus produtos, é menos provável que eles busquem e comprem da sua marca de forma orgânica. Isso pode afetar a relevância do seu site frente aos mecanismos de pesquisa.

Ao trabalhar com um marketplace, há também algumas regras e acordos que devem ser seguidos. Naturalmente, isso dá às marcas menos flexibilidade e controle sobre como elas vendem. Uma das coisas com que você concorda ao entrar num marketplace é competir com outras lojas que vendem produtos similares, tudo em uma única página. Claro, pode-se argumentar que, ao não aparecer de nenhuma forma, você já perdeu para os concorrentes. Porém, as marcas devem levar em conta como as suas ofertas se comparam às outras antes de entrar nesse ambiente.

Com tantos prós e contras, não é fácil formar uma opinião sólida sobre os marketplaces e como eles impactam a concorrência no ecommerce. Isso vai variar de acordo com o tamanho da sua marca e dos produtos que você vende. O que se pode dizer é que os marketplaces certamente não são para todos. Mas se você decidiu encarar mesmo assim, como a sua marca pode sobreviver como concorrente da Amazon?

1) Entenda o que é importante para os seus clientes

Não existe a tal concorrência perfeita. Marcas, marketplaces e consumidores, todos eles têm o poder de ditar preço, produtos e conveniência. É altamente improvável que a sua marca possa competir com a Amazon, o eBay ou outros marketplaces, em qualquer sentido. A chave para a concorrência no ecommerce é focar e competir nas áreas que mais importam para os seus clientes. E, ao contrário da crença popular, isso nem sempre significa preço.

Não existe a tal concorrência perfeita. Marcas, marketplaces e consumidores, todos eles têm o poder de ditar preço, produtos e conveniência. É altamente improvável que a sua marca possa competir com a Amazon, o eBay ou outros marketplaces, em qualquer sentido. A chave para a concorrência no ecommerce é focar e competir nas áreas que mais importam para os seus clientes. E, ao contrário da crença popular, isso nem sempre significa preço.

Quando você tiver um melhor entendimento dos seus clientes, você pode não só competir nas áreas que eles valorizam, mas também começar a entregar um conteúdo mais relevante, correspondente ao comportamento deles, a qualquer momento. Fornecendo esse nível de experiência personalizada, você ajudará todos os consumidores a encontrarem os produtos que eles querem no seu site, e não no marketplace.

2) Aumente o awareness da sua marca com campanhas publicitárias online

Como uma pesquisa recente descobriu que 49% dos consumidores vão primeiro à Amazon para fazer compras online, as marcas devem promover ativamente seus produtos e a própria marca no meio digital para combater a mentalidade desse “padrão Amazon”. Isso é ainda mais importante se considerarmos que não é só a Amazon que domina o awareness de consumo. 80% dos consumidores já estão comprando produtos dos marketplaces, o que significa que esses gigantes online já têm o benefício da familiaridade aos olhos dos clientes.

Campanhas de prospecção e awareness de marca são fundamentais para atingir o nível de conhecimento, volume de tráfego e visitantes qualificados necessários para fazer frente ao monopólio da Amazon. A mídia programática, seja na forma de display ads ou anúncios em vídeo, pode ajudar as marcas a conquistarem um tráfego novo e um público com alta intenção de compra. Para as marcas que utilizam dados para entregar campanhas altamente segmentadas, há uma oportunidade enorme para conquistar novos consumidores. É simples assim: as marcas não podem competir se elas não têm, antes de tudo, visitantes para converter em clientes. É por isso que uma estratégia publicitária robusta é fundamental no varejo online atualmente.

3) Melhore a experiência do usuário (UX) no site para competir com a Amazon

Os marketplaces se destacam na personalização. Vamos pegar a Amazon como exemplo. Ela oferece uma experiência superior em todos os canais com sua abordagem personalizada, conectada e simplificada. Seu site tem uma área de busca e descoberta de produtos com uma funcionalidade que permite que cada pessoa filtre seus critérios preferidos. Além disso, ela eleva o UX a um novo patamar com seu mecanismo poderoso e personalizado de recomendação de produtos, que impulsiona uma enorme taxa de 35% das compras online dos consumidores. Felizmente, não é só a Amazon que sente o benefício das recomendações personalizadas de produtos. Nossa pesquisa mostra que as marcas que oferecem esse serviço veem um aumento de 70% no engajamento. Uma iniciativa simples para as marcas que querem competir com os marketplaces e conquistar a mente e o coração dos consumidores.

As marcas podem melhorar mais do que apenas recomendações e oferecer um UX que incentive o público a realizar compras. Tudo se resume a simplificar a experiência de compra para que os clientes descubram produtos, comparem opções e tomem decisões mais facilmente. Ao se concentrar na jornada online de cada consumidor individualmente, as marcas podem oferecer mensagens e experiências mais relevantes que correspondam aos desejos e necessidades dos clientes.

Elas também podem usar seus sites para incentivar os visitantes a assinarem comunicações externas, como newsletters e e-mails de remarketing. Desde a GDPR (General Data Protection Regulation – ou Regulamentação Geral de Proteção de Dados, em português), o valor de um assinante opt-in disparou, com as comunicações tornando-se muito mais direcionadas e engajadoras. Quando as marcas constroem esse tipo de interação significativa, elas têm a oportunidade de desenvolver bastante a lealdade do cliente, o que é fundamental na batalha pela atenção no ecommerce.


Sejam os marketplaces bons ou ruins, uma coisa é certa: a marca deve promover mudanças se quiser continuar a operar em um ecommerce monopolizado por um grande player. Para as marcas menores, os marketplaces talvez sejam um passo essencial em suas jornadas, enquanto que, para marcas maiores, talvez seja mais negócio melhorar suas vantagens competitivas. Ativação de dados, awareness de marca e UX do site são essenciais para qualquer marca que queira vencer a concorrência no ecommerce.

O conjunto de soluções da Ve conecta dados, publicidade online e remarketing para criar experiênciais digitais mais relevantes e personalizadas, da prospecção à conversão. Saiba mais sobre como nossas soluções podem ajudar a sua marca a competir no ambiente atual do ecommerce.

Ecommerce

CLIENT'S STORY

How Vodafone

increased click through rates by 94% with product feed emails

Download now
Vodafone Case Study

Posted by Emily Atkinson